RADIOWEB ZUMBI DOS PALMARES

quinta-feira, janeiro 13, 2011

Olhando por outro lado...


por Dalmo Oliveira*




… Todo governo precisaria ter uma imprensa opositora, como poderá ocorrer nos primeiros meses da gestão do socialista Ricardo Coutinho (PSB), na Paraíba. Naturalmente, o Sistema Correio poderá ser o “calo” midiático mais difícil para Nonato Bandeira, o onipresente secretário da Comunicação Institucional e braço-direito do governador estreante. Quem mais leva vantagens com uma imprensa crítica e fiscalizadora é a população, o cidadão que nem lê jornal.
Todos lembramos que, momentos antes da queda do ex-governador, Cassio Cunha Lima (PSDB), o Sistema Correio, controlado pelo empresário e senador Roberto Cavalcanti (PRB), era taxado nas hostes peessedebistas como “o jornal do PMDB”. O próprio Cassio chegou a dizer, numa das últimas entrevistas concedidas a Josival Pereira & Gutemberg Cardoso, que se o Correio estivesse à venda, ele mesmo teria interesse em “comprar uma parte”.
Claro que Cassio falava em sentido figurado. Na verdade ele sabe que o Sistema Correio é uma empresa que “se vende”, mas não para qualquer um. É como aquela puta maravilhosa, com rostinho de atriz francesa, que se dá ao luxo de escolher e rejeitar possíveis “clientes”. O que poucos entendem – muito menos o ingênuo público – é que a mídia, na atualidade, não passa de um empreendimento capitalista como qualquer outro, que vende um produto simbólico e poderoso chamado “comunicação”.
Dentro da mídia, o jornalismo “vende” algo ainda mais precioso: verdades! Isso mesmo, os jornalistas vendemos verdades. Os teóricos da comunicação insistem em dizer que, na contemporaneidade, os meios de comunicação “fabricam” a realidade. Agora, imagine um governador, um prefeito, um presidente que consegue manipular os MCMs... Na atual e moderna história da humanidade temos casos clássicos do uso da mídia para o controle social das massas.
Então, para mim, vai ser surpreendentemente fantástico se Bandeira/Coutinho não conseguirem hegemonizar TODOS os meios de comunicação da Paraíba nos próximos quatro anos. Ficando com a análise apenas do grandes grupos, teremos os Diários Associados com sua falsa “neutralidade” centenária. Entra governo, sai governo, e o DA não deixa de amealhar uma parte considerável das verbas públicas destinadas à publicidade institucional.
O caso do Sistema Paraíba é mais complexo. Aliado histórico do esquema cassista, o grupo canjiquinha se comporta com bastante pragmatismo e usa o jornalismo como arma de ameaça aos governantes de plantão que, por ventura, tentem boicotar seu conglomerado de empresas. Sem falar que ninguém, em sã consciência, toparia enfrentar uma concessionária global.
O grupo Tambaú, vinculado à Marquise, já entra na cena comunicacional paraibana da era girasssol com a imagem maculada, em decorrência do forte apoio financeiro que ofereceu para a campanha eleitoral do agora governador da Paraíba, com a mãozinha do PSB cearense. Oficialmente foi pouca grana, mas chegou numa hora estratégica.
A novidade da praça midiática tabajara é mesmo o Sistema de Comunicação Arapuan, do empresário João Gregório, que tomou corpo nos últimos anos com a chegada da TV Miramar. De qualquer forma, não deve representar grande ameaça à nova governança estadual, por conta da forte vinculação com o ex-governador Cassio.
Outras mídias – O abacaxi mais difícil para Seu Raimundo descascar será mesmo a mídia eletrônica, representada por uma dúzia de “portais” sustentados por grupos políticos minoritários. Os blogs também vão incomodar, porque representam o pensamento de indivíduos, alguns nem tão satisfeitos assim com a chegada do “coletivo RC” ao poder.
Ocorre que na Paraíba não existe um único setor da mídia – nem da imprensa – em que a cidadania possa confiar integralmente. Todos os veículos têm interesses corporativos, em alguns casos, indizíveis. A maioria absoluta acaba com o rabo preso ao regime de plantão. Isso não é diferente na “classe” jornalística.
Devemos ser hoje um dos estados da federação onde atua o maior contingente de “comunicadores do batente”. Funciona mais ou menos assim: o cara é amigo do político de um lugarejo nos cafundós da Paraíba. Por acaso, esse político controla uma emissora de rádio. Nosso glorioso e sortudo “jornalista” começa então na profissão trabalhando de locutor ou “comentarista” numa dessas emissoras interioranas.
Depois de anos de bajulação midiática, o cara é promovido e acaba recebendo convite para ir trabalhar numa rádio da capital, ou de Campina Grande, na melhor das hipóteses. Taí nosso novo “homem da imprensa”, o radialista “boca-quente”, que virou jornalista, que logo passa a escrever nos jornais e, agora, ainda mais fácil, na internet. Se você conhece alguém assim na atual imprensa paraibana, não se espante, é mais comum do que se imagina...
Esse tipo de “profissional” é tão comum por aqui que até o sindicato dos jornalistas é dominado por eles, ainda mais agora que o STF desobrigou as empresas de comunicação de contratar apenas aqueles que possuem curso superior em jornalismo. Ocorre que esse tipo de “jornalista” não possui condição alguma de atuar com os preceitos do bom jornalismo: imparcialidade, independência, neutralidade, autonomia, etc, etc.
Eles têm limitações éticas e de formação deontológica. Fazem o jornalismo de ocasião, jornalismo de campanha, dentro de empresas que mantém a lógica chateuabriana do toma-lá, dá cá! Rubens Nóbrega, que foi recentemente destronado do posto de “martelo moral” da imprensa paraibana, me disse, uma vez, que o empresariado da comunicação paraibana tem o jornalismo apenas como apêndice de seus outros negócios capitalistas.
Na Paraíba, mais que em outro lugar, a mídia é uma espécie de “brincadeira luxuosa” de uma meia dúzia de magnatas. Não são empreendimentos surgidos originalmente no filão comunicacional, como ocorreu com os grupos Abril, Globo e Record, que expandiram-se da Comunicação para outros nichos.
Para piorar tudo, não temos no estado uma organização forte de sistemas comunitários e alternativos de comunicação. O jornal CONTRAPONTO, por exemplo, é mais uma excentricidade midiática do que um “jornal independente”, como João Manoel quer fazer crer. Já o WSCom se traveste de modernidades para tentar esconder sua crucial dependência dos esquemas político-corporativos, com aventuras de uma empresa multimídia com vocação regional.
Por essas bandas, conta-se nos dedos a emissoras de rádio fundamentalmente comunitárias. As poucas que a Anatel deixou funcionar estão controladas por pequenos grupos, manobrados por castas políticas paroquiais.
Esse é o tabuleiro midiático à disposição daqueles que agora possuem a máquina estatal nas mãos. A nós, cidadãos e consumidores de comunicação, resta termos clareza do que está por trás dessa realidade e das verdades que a mídia tabajara nos empurra diariamente.
/////////////////////
* Dalmo Oliveira é jornalista formado desde 1991 pela UFPB; mestre em Comunicação pela UFPE; Coordenador da ABRAÇO-PB.

Nenhum comentário: